Informações sobre o sono e descanso

Mitos sobre o descanso – Parte 1/2

Todos conhecemos essas crenças populares ou fábulas que passam de geração em geração sobre o descanso: as horas de sono, as posições… Seguro que você já ouviu alguma vez, ou talvez muitas, mas o que está claro é que se nós as interpretamos de forma erronea ou ao pé da letra, podemos até danificar nossa saúde física ou emocional.

Em Maxcolchon ajudamos para que você dê a importância justa e saiba a verdade que está por trás de cada um desses mitos do descanso. Então agora que já sabe, se você ouvir alguém falando sobre alguns desses mitos, não terá desculpa para não refutá-lo com seus argumentos mais que demostrados e não cair no erro comum!

Gostaria de saber quais são alguns desses mitos? Pois esta semanairemos lhe revelar os mais interessantes ou populares, começando com os primeiros 7. Não os perca!

Max-Mito nº1: Se descansa melhor quando não sonhamos

Totalmente falso, lhe explicamos porquê.

Todo mundo sonha todas as noites, de fato mais de uma vez. Cada noite a mente “desliga” várias horas, mas enquanto dormimos, o cérebro continua a trabalhar activamente. Pode ser que quando você acorde não se lembre de ter sonhado nada, mas o que aconteceu na realidade é que você despertou em uma fase do sono que o cérebro tem dificuldade em lembrar o sonho.

Todas as pessoas sonham todas as noites. O descanso não está ligado aos sonhos que temos.

Max-Mito nº2: Dormir pouco engorda

Este mito tem uma parte certa e outra falsa.

O facto de dormir pouco não faz nosso corpo aumentar o peso, mas sim, a falta de sono, entre outros fatores e reações, é um aumento de apetite e dos níveis de glicose no sangue, pelo qual, além de nos provocar uma maior ingestão de alimentos, podem se associar com o aparecimento de diabetes ou, em caso de padecê-la, que esta se agrave.

[Um estudo entre 70.000 enfermeiras, realizado pelo “Instituto Nacional de saúde dos Estados Unidos” mostrou que uma de cada duas enfermeiras que dormiam menos de cinco horas, terminavam por padecer diabetes].

Max-Mito nº3: Sobre um colchão rígido se dorme melhor

Falso.

E este é um tema, que a dia de hoje, segue sendo uma das questões mais consultadas a nossos especialistas do descanso.

Este mito é dado porque anteriormente eram usados colchões de lã. Estes colchões se afundavam um pouco mais cedo e os doutores recomendavam colocar uma placa entre o colchão e a base para manter a firmeza, mas neste momento não é um fator a considerar. É, portanto, um mito que sem qualquer base científica e que, longe de nos ajudar a melhorar o descanso, pode multiplicar nossas doenças.

O colchão deve ser acorde a nossa compleição física, gostos e fisionomia. Acima de tudo devemos escolher um colchão que se adapte a nossa forma, tendo sempre em conta os fatores individuais de cada dormente. Nossa coluna e curvas naturais do corpo devem ser acolhidas pelo colchão, então, a elasticidade, adaptabilidade e firmeza serão factores a considerar na hora de escolher o nosso equipe de descanso.

Max-Mito nº4: Na maturidade, os casais dormem melhor separados.

Voltamos a nos encontrar com um mito que esconde uma parte de verdade

É verdade que quando um casal entra na maturidade de sua vida, começam a exigir certos tipos de facilidades no descanso. Um quer ler, outro dormir; um é calorento, o outro prefere dormir coberto; um gosta de firmeza no descanso e o outro gosta de um descanso mais fofo… Também é verdade que os hábitos dos nossos companheiros podem nos influenciar de forma negativa.

mito-dos-camasPara isso, não é necessário que cada um durma em um quarto ou em camas completamente separadas. Há uma abundância de soluções, tais como as camas com colchões gemeos (em que cada um tem um colchão adaptado ao seu gosto, mas a cama se mantem junta) ou uma infinidade de colchões com independência de leitos, para que quando um se mova ou se levante, não incomodeao outro. Se o problema são os movimentos que faz seu companheiro ao dormir, os colchões de molas ensacadas lhe ajudarão a aliviar este pequeno inconveniente.

[Os especialistas afirman que dormir separados pode contribuir para o distanciamento, incentiva a separação e a perda de intimidade e comunicação].

Max-Mito nº5: Precisamos dormir 8 horas para funcionar correctamente

É verdade que os especialistas falam de que a melhor maneira de reparar o cansaço do nosso corpo depois de todo o dia sofrendo desgaste, é dormir de 6 a 8 horas por dia…

Mas cada pessoa tem necessidades diferentes em termos de descanso, o que iria beneficiar a uma pessoa, a outra pode que não tanto assim; pelo que não podemos dar como verdadeiro o mito neste caso.

[De acordo com o especialista e Professor da Universidade da Geórgia, Michael Decker: “A quantidade de sono que cada pessoa precisa é geneticamente pré-determinada em cada indivíduo”.]

Max-Mito nº6: A sesta afeta negativamente a que se possa conciliar bem o sono pela noite

Nesta ocasião, devemos dissipar o mito desde que se refera a sestas curtas. Em adultos é positivamente recomendável uma soneca de não mais de 30 minutos, ja que dormir esta quantidade de tempo depois de comer nos ajudará a ter um melhor desempenho durante o resto do dia.

Se pelo contrario, é mais similar em periodo de tempo à hibernação de urso, então sim, afetaria negativamente… Lembre-se: meia hora de soneca nos ajudará a aliviar as tensões, aumentar a produtividade diária e relaxar nosso corpo e nossa mente.

Max-Mito nº7: O café da tarde não afeta o descanso da noite

Pode que exista um dado sobre o cafe que desconheça, mas desde Maxcolchon queremos lhe fazer conhecedor desta informação necessária para todo consumidor de cafeína.

A cafeína tem um efeito duradouro em longo prazoque a maioria das pessoas que o consomem (muito mais do que metade da população em diferentes produtos) desconhece. É sabido que, mesmo depois de 12 horas desde sua última ingestão de produtos com cafeína, ainda deixa restos em nosso corpo. É por esta razão que é aconselhável tomar só o café da manhã e mesmo se você é uma pessoa que precisa de mais um café a tarde, fazê-lo logo depois de comer, para ter certeza que afete o mínimo possível ao seu corpo, na hora de dormir.

[Mariano de la Figuera, porta-voz científico das CICAS, nos diz que “os efeitos da cafeína começam a perceberse depois dos 10-15 minutos desde sua ingestão, alcançando níveis de pico após 30-45 minutos. Sua durabilidade é entre 3 e 9 horas, mas depende da idade, situação e tipo de metabolismo de cada pessoa. Seria razoável não bebercafé 4 ou 5 horas antes de dormir”.]

Pareceram-lhe interessantes estes mitos?Então em breve, a segunda parte dos mitos mais conhecidos no descanso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A falta de sono e Alzheimer

Um recente estudo demonstrou que a falta de sono está conectada com maiores níveis de uma proteína chamada beta-amiloide, conhecida pela sua relação com Alzheimer.

Para realizar o estudo, reuniram-se 20 participantes para que dormissem uma noite no Instituto Nacional de Saúde de Maryland (E.E.U.U.). Depois de uma noite de sono, foram submetidos a um scanner com o qual monitorizaram os níveis de proteínas no cérebro. Aproximadamente duas semanas depois, cada um dos participantes voltou a passar outra noite no centro. No entanto, desta vez foram despertados a cada hora, não sendo permitidos dormir profundamente. Depois de mais de 30 horas onde foram obrigados a manter-se acordados voltou-se a repetir o mesmo scanner cerebral.

Os resultados foram evidentes. Dezanove dos vinte participantes, com idades variantes desde os 22 aos 72 anos, mostraram níveis de beta-amiloides muito superiores depois de uma noite de não poder dormir corretamente. Ainda que estes níveis não eram preocupantes para o surgimento do Alzheimer, o estudo sugere uma conexão provável entre os hábitos de sono e o surgimento posterior desta doença.

Em parte, o Alzheimer diagnostica-se detetando grandes placas de beta-amiloide realizando estes mesmos scanner. Não obstante, ainda não se pode esclarecer qual é o motivo que cria o surgimento desta proteína.

Todas as pessoas produzem pequenas quantidades de beta-amiloide nos cérebros como parte do processo de generação de outras proteínas. No entanto, o próprio cérebro acaba por limpar esta proteína. Os investigadores não puderam detetar ainda se os maiores níveis de beta-amiloide se devem a que a falta de sono detém ou afeta o processo de limpeza do cérebro ou se esta se produz em quantidades maiores ao estar tantas horas acordado.

O que este estudo, igual a muitos outros, sim sugere é que a falta do descanso devido afeta o funcionamento correto do nosso cérebro.

Imagine voar na comodidade de uma cama

O fabricante europeu de aviões Airbus anunciou que estuda criar zonas de descanso com camas no andar inferior dos seus novos modelos.

Airbus trabalha com o fabricante de assentos Zodiac Aerospace no design de camas para serem instaladas nos porões dos aviões. A ideia é que o novo modelo Airbus A330, cujo lanzamento está previsto para 2020, incorpore camas para que os passageiros possam relaxar e dormir esticados durante os trajetos mais largos.

No momento trata-se unicamente de um projeto. Os fabricantes de aviões estudam constantemente como poder oferecer inovações que os diferenciem da competição. Tetos transparentes, zonas de jogos infantis, ginásio, bares… No entanto, a execução nem sempre é infalível.

Um dos pontos principais é a segurança. Durante certas fases dos voos, como levantar voo, aterragens ou momentos de turbulências os passageiros devem estar sentados com o assento reto, pelo que com o uso da cama se vê complicado. De igual forma, a zona dos assentos são sempre superiores no avião, pelo que a localização das camas no porão também levanta dúvidas sobre a segurança em relação à capacidade para evacuar os passageiros ante uma emergência.

As aerolínhas incorporaram alternativas multiplas para que esteja entretido durante os voos transoceanicos. Música, jogos, filmes… Não obstante, não há melhor maneira de estar oito horas num avião que passando pelas brasas.