Gritar a dormir: É bom ou mau?

Jul 23, 2021 | INFORMAMOS-TE | 0 comments

Muitos pais preocupam-se que os seus filhos possam sofrer terrores noturnos, e assustam-se ao escutar os seus gritos pela noite. Para estar tranquilo, é importante conhecer as suas causas, e compreender estes episódios noturnos esporádicos.

E você, ¿já se despertou alguma vez porque algum ser querido estava a gritar enquanto dormia? Gritar enquanto dorme é algo mais comum do que pensamos, e tem uma explicação científica que o vai tranquilizar.

Gritar a dormir: É bom ou mau?

Os terrores noturnos são facilmente detetáveis na maioria dos casos, já que a pessoa que os experimenta pode soltar gritos e falar tão alto que provavelmente acorde as outras pessoas da casa. Pode ser uma experiência aterrorizante e traumática, ver os seus entes queridos em tamanha angústia, já que a expressão de medo frequentemente se pode ver no rosto da pessoa enquanto dorme.

Estes gritos noturnos denominam-se parassonias, e consistem em comportamentos ou experiências involuntárias durante o sono. Os gritos noturnos são um transtorno de excitação, e ocorrem durante o sono N3, a etapa mais profunda do sono, com movimentos oculares não rápidos (NREM), tal como indica a Clínica Mayo. Regra geral, ocorrem durante as primeiras 3 a 4 horas da noite, e existem vários fatores que podem contribuir para o seu aparecimento: a falta de sono, o cansaço extremo, o abuso do álcool, o stress, ou a febre, entre outros.

Ainda que gritar a dormir pode afetar pessoas de qualquer idade, é algo que sucede de forma mais comum em crianças pequenas, do que em adolescentes ou adultos. Deve recordar-se que os terrores noturnos não são perigosos, e muitas vezes quem os experimenta não recorda de todo a experiência, mas pode passar por sentimentos de desorientação e vergonha.

Deveria despertar a alguém que grita a dormir?

Quando uma pessoa sofre de terror noturno e grita a dormir, é natural que as pessoas ao seu redor queiram despertá-la, e não ver como sofre. Não obstante, recomenda-se permanecer perto e assegurar-se de que não caia ou se magoa, mas não acordar a quem padece de terrores noturnos. Tentar despertá-los, tocando-lhes ou gritando-lhes, poderia excitá-los ainda mais enquanto dormem, e fazer com que este episódio dure mais tempo. A maioria das vezes, estes episódios são breves e, após poucos minutos, quem os sofre volta a dormir rapidamente, com total normalidade.

Se os gritos noturnos ocorrem de forma repetida, e vêm acompanhados de episódios de sonambulismo, é importante assegurar-se de que o quarto onde dorme quem os sofre seja um espaço seguro, onde não haja objetos que possam ser perigosos.

 Como tratar os terrores e gritos noturnos?

Como dissemos anteriormente, nas crianças os gritos noturnos costumam desaparecer com os anos. No entanto, quando adolescentes e adultos experimentam este tipo de terrores noturnos, com gritos de forma frequente, pode ser benéfico consultar um especialista em sono, ou realizar algum tipo de terapia, para identificar se existe uma possível causa subjacente a tratar.

Um médico ou um terapeuta especialista em sono pode abordar este problema através de um diário de sono, onde se irão registrar os hábitos de sono recentes, e como podem afetar a vida diária do paciente. Além disso, também se pode recolher informação a partir do companheiro de cama do paciente, ou de um membro da família, que descreva os episódios de gritos e terrores noturnos. Em alguns casos, podem fazer-se estudos do sono, para avaliar e diagnosticar mais a fundo este tipo de transtorno.

Por último, é importante saber que a maioria das parassonias, incluindo os gritos e terrores noturnos, ocorrem na etapa prévia ao sono profundo. Por isso, ter uma boa higiene de sono, limitar a ingestão de cafeína ou qualquer outro estimulante, ter uma rotina estável na hora de deitar e levantar, fazer exercício, e manter um estilo de vida saudável, podem levar-nos a conseguir um sono profundo de melhor qualidade.