Porque é que os bocejos se pegam?

Mai 28, 2019 | INFORMAÇÃO SOBRE DESCANSO, INFORMAMOS-TE |

O bocejo é considerado uma ação reflexa que ocorre mais frequentemente quando estamos cansados, aborrecidos ou com fome. Estas são as hipóteses mais enraizadas entre a população. Bocejar e fazer bocejar está intimamente relacionado com as nossas próprias origens e evolução. Esta acção aprofundou as funções básicas do sistema nervoso. No entanto, estas circunstâncias não esclarecem a questão da sua utilidade. Neste sentido, se partirmos da base que bocejar é principalmente a ação de obter ar em abundância podemos deduzir que se cuida de nos oxigenar.

Então, bocejar… para que serve?

O bocejo está associado a várias espécies. Estes podem variar de humanos a elefantes e peixes diferentes. De acordo com as diferentes hipóteses que a ciência nos oferece, bocejar pode ser útil:

Refrescar o cérebro

De acordo com esta teoria, bocejar serviria para ventilar o nosso cérebro. Este órgão transcendental precisa da maior parte das calorias que absorvemos. Isto significa um aumento considerável da temperatura intracraniana. Assim, a introdução de uma grande quantidade de ar fresco permite que o cérebro permaneça alerta e funcione corretamente. Da mesma forma, esta ação faz com que a mandíbula mova as membranas mucosas que preservam as narinas, facilitando por sua vez a ventilação da massa cerebral.

Há teorias cada vez mais reforçadas de que o bocejo serve para ventilar o cérebro e aumentar a temperatura intracraniana

Obter maior quantidade de oxigénio

Esta hipótese está ligada à que vimos acima, mas de uma forma diferente. Quando o organismo detecta uma falta significativa no nível de oxigênio na corrente sanguínea, bocejar significa um importante suprimento de ar fresco que teoricamente permite que essa falta de oxigênio seja equilibrada.

Porque é que os bocejos se pegam quando vemos alguém bocejar?

Como mencionado acima, a acção de bocejo está ligada a diferentes espécies do reino animal. No entanto, o contágio só ocorre em humanos, macacos, cães e lobos. Estima-se também que 60% dos seres humanos são vulneráveis a esta acção involuntária. Essas duas hipóteses diferem uma da outra, como vemos abaixo:

Em um deles é considerado como um ato de relacionamento e sincronização. Entre as espécies que apresentam maior capacidade de relacionar e organizar as suas atividades, a imitação do bocejo pode servir de sincronização. Esse fato pode ser semelhante a outras ações igualmente contagiosas, como comer ou adotar certas posições corporais.

os becejos pegam-se numa espécie de acto de empatia e sincronização com a pessoa da porta ao lado: mais capacidade de relacionamento

A outra hipótese centra-se mais num estado de empatia. Esta possibilidade tentaria demonstrar nossas qualidades para intuir o estado de espírito em que as outras pessoas se encontram. Este fato nos colocaria em sua situação; sentir e perceber o que a outra pessoa sente, e uma vez neste estado relaxar e sucumbir inconscientemente a bocejar.

De acordo com esta hipótese, ao imitar o bocejo, sistemas cerebrais característicos da empatia, como os neurônios espelho, são colocados em operação. Esses neurônios funcionam como uma reflexão dentro de nós das ações que eles apreciam dos outros. Da mesma forma, 60% das pessoas vulneráveis à ação do bocejo geralmente apresentam um alto grau de empatia.