Riscos para a saúde ao não dormir as horas mínimas recomendadas

Nov 16, 2020 | ACONSELHAMOS-TE, SAÚDE |

O sono é uma função vital básica para todas as pessoas. É fundamental manter uma boa saúde, mesmo que haja quem pense que não é uma necessidade tão importante. Há mesmo quem se pergunte se a medida de dormir oito horas diárias para que o nosso corpo funcione corretamente não é exagerada.

É assim que, muitas vezes, nos encontramos a fazer malabarismos ao longo do tempo para conciliar a família, trabalho, lazer… e acabamos por assim sacrificar o tempo de descanso. E isto, claro, pode levar a múltiplos riscos para a saúde.

Riscos para a saúde ao não dormir

 Não dormir pode ter múltiplas consequências e afetar várias áreas das nossas vidas. A saúde não é exceção a isso, e muitas vezes podem surgir problemas ao não dormir.

Quando dormimos, não sabemos, mas as funções do corpo e do cérebro permanecem ativas. Neste processo de sono existem 5 fases: as quatro primeiras têm durações diferentes e uma delas é caracterizada por movimentos rápidos dos olhos ou pelo que é conhecido como sono REM.

Cada uma destas fases tem um padrão diferente de ondas cerebrais, assim como em cada uma há maior ou menor descanso. Em todo o caso, o importante é que as horas que se dorme sejam suficientes para que estas fases ocorram sem alterações e, assim, completarmos um bom sono.

Caso contrário, quando ocorre a privação do sono, a pessoa pode sentir-se cansada e ver o seu desempenho diminuído durante o dia. Isto inclui tanto a vida profissional como as nossas relações pessoais e as nossas performances diárias.

Aqui estão os vários riscos que estão relacionados ao facto de não dormir:

Aumento do risco de doenças cardiovasculares

De acordo com a Fundação do Coração, os pacientes que sofrem de hipertensão e também têm dificuldade em adormecer têm um risco cardiovascular mais elevado do que o resto da população.

Além disso, o Centro Nacional de Investigação Cardiovascular realizou um estudo publicado no The Journal of the American College of Cardiology (JACC) onde se observou uma população de 46 anos em média. A pesquisa descobriu que aqueles que dormem menos de seis horas à noite podem ter um risco aumentado de doenças cardiovasculares em comparação com aqueles que dormem entre sete e oito horas. O mesmo acontece com quem acorda várias vezes durante a noite e não desfruta de um bom descanso.

Pressão arterial elevada por falta de sono

Dormir mal, especificamente cinco horas ou menos, pode aumentar o risco de desenvolver hipertensão. Outro risco de dormir tão poucas horas é o início ou desenvolvimento de apneia obstrutiva do sono, que é definida como uma desordem em que a pessoa que sofre de repente para de respirar enquanto dorme.

Risco de obesidade e diabetes

Não dormir também pode resultar em tais doenças. Além de outros fatores como a genética, hábitos como o exercício físico, a dieta ou o sono também desempenham um papel importante no nosso metabolismo.

Especificamente, parece que a ciência descobriu que a qualidade do nosso descanso influencia a capacidade do corpo de metabolizar a glicose, manter o equilíbrio energético durante o dia, bem como controlar o que comemos.

Risco de sofrer stress

Como dissemos, não dormir pode causar um desequilíbrio hormonal no nosso corpo. Nele, o cortisol, a hormona do stress, pode estar envolvido. A questão é que, se não dormirmos o suficiente, o nosso corpo pode reagir libertando uma grande quantidade desta hormona, o que pode ter outras consequências para a nossa saúde.

Aumento do risco de problemas cognitivos

Acontece que muitas vezes temos mais dificuldade em lembrar-nos das coisas quando nos sentimos mais cansados. Isto pode ser porque o nosso descanso não é suficiente ou adequado. Para descansar, o cérebro tem de ser capaz de trabalhar para reordenar as nossas memórias, que cuida à noite, enquanto dormimos.

Isso mesmo, o cérebro ainda está ativo enquanto descansamos. Este é o momento que serve para “descartar” informação que não o serve, “reordenando” o material cognitivo aprendido durante o dia. Quando não dormimos ou simplesmente este descanso não é suficiente, o declínio cognitivo pode ocorrer porque não beneficiaríamos desse “reordenamento”.

Como pode ver, existem muitos riscos decorrentes ao não dormir as horas mínimas recomendadas. Vale a pena desfrutar de um bom descanso e assim evitar este tipo de riscos que influenciarão a nossa saúde, não acha?