Porque é que os colchões são tão caros?

02 de outubro de 2017

Tradicionalmente, os colchões são um produto que sempre teve preços elevados. Hoje em dia é possível encontrar modelos de colchões a preços muito acessíveis, como colchões com viscoelástica a 100€. No entanto, normalmente são colchões mais finos e recomendados para usos esporádicos em segundas casas ou em quartos de convidados. Em seguida detalhamos como os colchões podem alcançar preços acima dos 1.000€.

Se acudimos a qualquer negócio de colchões e perguntamos por um, pelo menos de gama média e recomendado para o uso diaro, os preços podem ser bastante elevados. À simples vista, pode ser complicado entender como um retângulo de tecido recheio de espuma ou molas chegar a alcançar esses preços.

Não há um preço em concreto que marque a fronteira entre um colchão bom e um mau. Geralmente, os custos dos colchões aumentam dependendo da vida útil do mesmo. Quanto mais resistente e dourador seja, maior é o esforço que precisa a sua fabricação. Tecidos ou materiais naturais sempre saem mais custosos que os sintéticos. Materiais como molas ensacadas ou capas de viscoelástica de altas densidades encarecem também o produto.

Os colchões recomendados para o uso diário têm uma durabilidade de mais ou menos 10 anos antes de começar a deformar-se ou a perder as propriedades. Os colchões mais económicos não têm uma vida útil tão larga se submetidos a um uso diário. Um colchão de 600€ usado diariamente durante dez anos normalmente custa 60€ ao longo de um ano, que são 16 cêntimos por noite. Tendo em conta de que se trata de um produto sobre o qual passamos 8 horas diárias e que nos deve garantir um bom descanso, não parece tanto.